quinta-feira, 6 de abril de 2017

2016 / O espelho vê melhor

O espelho vê melhor
SABRINA D. MARQUES,
Dezembro de 2016 (para ZIGURATE)


6_install1.jpg
IMAGEM 1: Instalação de Sam Durant, Mirror Travels in Neoliberalism (2010)


Do fundo remoto do corredor, espreitava-nos o espelho.
Jorge Luis Borges


0. O ESPELHO E A CRIAÇÃO DA ALTERIDADE
Um espectador minimamente atento perceberá como a presença dos espelhos se repete comumente, de filme para filme. Porquê? Porque o espelho é a grande metáfora do Cinema: o Outro que acontece defronte de mim serve como medida de exame do Eu. Uma das potências particulares da sala escura é, precisamente, a criação de um laboratório íntimo onde o estudo das personagens como figuras de alteridade faz sobressair os laços de semelhança (1). A cadeira calada do espectador de cinema é o terreno fértil das suposições: ‘‘E SE fosse comigo?’’
A relação entre o corpo e o Eu é um dos alicerces fundadores de toda a teoria psicanalítica. Com o Renascimento, o espelho é o símbolo físico da procura do homem pela sua individualidade. Sob o mote clássico ‘‘conhece-te a ti mesmo’’, o indivíduo examina-se e o espelho torna-se uma ferramenta da construção do Eu: o espelho é um instrumento de ver mais, ajuda-me concretamente a ver-me. Na sua capacidade de conceder visibilidade e controlo ao indivíduo em relação a si próprio, o espelho constitui-se, segundo Melchior-Bonnet (2), como uma ‘‘utopia da transparência’’. Como escreve Marta Toscano, ‘‘aos espelhos atribuímos uma propriedade que prezamos: o de reflectirem tudo, fielmente, com “indiferente precisão” - Yeats, e ‘‘sem quaisquer pré-juízos’’- Plath. Devido à sua aparente “neutralidade” e “exactidão”, consideramo-los bons juízes, o que nos deixa muito perto de os ver como reveladores de uma qualquer «Verdade»’’ (3).  Mas, se a história do espelho é atravessada pela associação entre reflexo e verdade - onde esta expansão do mundo observável acrescenta à realidade - a possibilidade de aceder a uma ''verdade mais verdadeira'' depende directamente do observador, em ponto de introspecção e em espaço de intimidade. Não há objectividade possível no gesto individual de se espelhar.
Ao espelho, o indivíduo torna-se, subitamente, consciente da sua aparência - a informação visual e háptica que passa de si aos outros - e esta imagem que o espelho gera torna-se um espectáculo de si para si. Uma relação dialéctica entre o que Eu sou e o que Eu pareço, que é ponto de ruptura eternamente crítico: ao corpo em devir, o espelho será o palco hipotético de todas as formas do amanhã - o insondável desconhecido. O espelho é a constante lembrança do Outro, e do ponto de vista do Outro. As instalações com espelhos de Sam Durant (IMAGEM 1), Mirror Travels in Neoliberalism (2010), evocam-nos precisamente uma alicerçada prática - abundante nos filmes de crime e terror - de comunicar através de mensagens deixadas em espelhos: o tom ameaçador de cada recado furiosamente escrito em cada espelho parece inscrever essa sensação de colisão entre o Eu e o Outro que está remotamente presente até no mais breve momento em que o indivíduo se vê ao espelho.
A experiência pessoal ao espelho é carregada de tumultos, ansiedades e fascínios. Simultâneos palcos do exame e da imaginação, os espelhos são portais para um mundo de revelações, primordialmente ligados à superstição, à magia e à feitiçaria (e, por isso, particularmente presentes em narrativas mitológicas e fantásticas). A auto-imagem protagoniza estes palcos de novas formas e figuras, de reformulações e desfigurações, exponenciando as ansiedades mais universais à condição humana. Montaigne diria: ‘‘Nunca conheci um milagre ou um monstro maior do que eu próprio’’, para definir o Monstro como consequência humana - enquanto deformação do Eu. Em Babadook (2014), Jennifer Kent traça uma genealogia que decalca da própria História do Cinema uma narrativa da transfiguração humana em movimento de devir-monstro, e que explicita a íntima vocação psicanalítica do medium: revelar o monstro é revelar o Eu. Não será por isso que o cinema de terror está povoado por estórias de monstros que só os protagonistas conseguem ver ao espelho?


_Silver Bullets_, de Joe Swanberg.png_Nosferatu the Vampyre_, de Werner Herzog.jpg
IMAGEM 2: Silver Bullets, filme de Joe Swanberg, 2011
IMAGEM 3: Nosferatu o Vampiro, filme de Herzog, 1979


_Oculus_, de Mike Flanagan.jpg
FIGURA 4: Oculus, filme de Mike Flanagan (2013)
FIGURA 5: The Thing, filme de Carpenter (1982)


1. O EU MONSTRUOSO: O DEVIR-MONSTRO
A etimologia da palavra “monstro”, remete-nos para o latim monstrum, “omen divino, portento, sinal, forma anormal”; noutras definições encontramos “personagem repugnante, objecto de temor, acto terrível, abominação, estranheza, anormalidade de crescimento, animal de tamanho vasto, pessoa de crueldade ou maldade inumanas, calamidade, terror, opressão....” Na 23ª edição do Dorland's Illustrated Medical Dictionary (1957), existe uma definição clínica de monstro: “um recém-nascido com uma anomalia tão pronunciada que interfere com o desenvolvimento geral ou local do corpo”. Ora, a categorização clínica do Humano enquanto monstro possível transforma a maioria dos humanos em Humanos-não-monstro, corpos onde a monstruosidade não foi confirmada por mero acaso. Ao escrever sobre a pintura de Francis Bacon (3), Gilles Deleuze observa que “... cada homem que sofre é carne. A carne é o território comum partilhado por homem e animal, um território indistinto, a carne é o ‘facto’, com que nos identificamos com os objectos de horror e de compaixão.” A qualidade de parecer monstruoso - de figurar contornos passíveis de ser categorizados como monstruosos - é portanto um devir, uma mesclagem que atravessa as espécies animais, aproximando o Homem da besta. A carne é matéria sujeita à avaliação visual – é uma demonstração de categorias mensuráveis - e o corpo é um resultado, que se relaciona com variáveis relativas ao seu espaço perceptivo (por exemplo: uma baleia é monstruosa porque o seu tamanho excede o humano e isso torna-se atemorizante para ele.) Em The Thing - A Coisa, de John Carpenter (1982), a carne humana invadida pela Coisa torna-se monstro e, como numa figura de Francis Bacon, desumaniza-se e passa, simultaneamente, a  flesh e a meat, a homem e a animal indistintamente: o monstro acontece porque a carne já estava lá.


‘‘O espelho ensinara-me o que eu desde sempre sabia: eu era horrivelmente natural.’’
Sartre


‘‘Sou levado a ver-me a mim próprio como o tipo de um outro (de um gigante, de um anão, de um ser monstruoso): há como que um início de um processo de universalização, um esquecer o referente para fantasiar sobre o conteúdo.’’
Umberto Eco, in Sobre os espelhos e Outros Ensaios


2. DO OUTRO LADO DO ESPELHO:


10360403_10202153264027602_8608626779586589734_n.jpg 10345979_10202153263787596_1887351365018209074_n.jpg
IMAGEM 6 / IMAGEM 7: Atlântida: Do Outro Lado do Espelho, Daniel Del-Negro, 1985


"And I wonder I wonder what I am. "  

Efterklang, álbum Piramida, 2012



‘'Who in the world am I?'’
Alice Através do Espelho de Lewis Carroll, 1871


A viagem de Alice através do espelho (Through the Looking Glass) é catapultada pela materialização dos seus anseios. O corpo da menina que cresce deseja prender-se à infância mas, entre os delírios em que se alheia da realidade, protagoniza corpos grandes demais para a arquitectura do seu mundo imaginado. Em Alice, o seu monstro-em-devir espelha-se no futuro e, inconscientemente, a figura temida é a da adulta que será. O corpo reflectido na superfície espelhada é uma câmara de medos e de anseios acerca do futuro, como exprime a popular lengalenga infantil da Bloody Mary (Maria Sangrenta), onde se descreve um ritual variável para jovens mulheres: estas teriam de ver-se ao espelho e, segurando uma vela no interior de uma casa escura, não desviar o olhar enquanto evocavam a Maria Sangrenta. O resultado seria a aparição do rosto do seu futuro marido ou, indicando que morreriam antes de casar ou não casariam, a figura da Morte ou de uma horrorosa Maria Sangrenta, solteira eterna. Este movimento de devir-monstro é uma projecção uníssona de medos e expectativas, e encontra o seu paralelo nos exemplos (IMAGEM 2, IMAGEM 3) em que monstro que surge num espelho, pode ser somente observado ou identificado pela protagonista, ou se apresenta como uma desfiguração dela (IMAGEM 4). No contexto desta pulsão individual para o permanente exame especular, Umberto Eco (6) escreveu acerca da geral curiosidade face à própria imagem reflectida em espelhos deformantes, como um fôlego existencial que obtém alívio da qualidade temporária das imagens obtidas: uma casa de espelhos numa feira popular é um jogo onde o Eu monstruoso é, certificadamente, passageiro. No entanto, a impermanência das imagens ao espelho presente é, principalmente, motivo de incómodo porque evoca o total desconhecimento acerca das imagens do espelho futuro. Então, o que significa atravessar o espelho? O mergulho de Orfeu (IMAGENS 8-11) num espelho líquido anuncia a destruição de todas as coordenadas espácio-temporais e de todos os indícios de realidade. À semelhança de uma Alice caída no rabbit-hole, ao entrar no Nada absoluto, o poeta-dos-poetas encontra-se no mais puro lugar da imaginação e da fantasia, onde tudo é possível.


Screen Shot 2016-12-15 at 03.17.48.pngScreen Shot 2016-12-15 at 03.17.54.pngScreen Shot 2016-12-15 at 03.17.59.pngScreen Shot 2016-12-15 at 03.18.05.png
IMAGENS 8, 9, 10, 11: Blood of a Poet, um filme de Jean Cocteau, 1930


Em 1936, Jacques Lacan, discípulo de Freud, apresentava a sua teoria do Estádio do Espelho, por ocasião de um simpósio sobre os resultados terapêuticos da psicanálise. Ao teorizar acerca das fases fundadoras do desenvolvimento da criança, argumentava como a constituição do Eu acontece mediante a identificação com a imagem do Outro, atribuindo à imagem um papel central na constituição do Eu e na matriz simbólica do sujeito. Definia, assim, o processo de identificação como “a transformação produzida no sujeito quando assume uma imagem” (7), uma relação que segundo Lacan, medeia desde sempre as interacções entre o Eu e o Outro (na comédia Duck Soup, dois dos Marx Brothers interagem num gag de duplos: o conhecimento de um sobre o Outro é tal e a sua imitação tão perfeitamente conseguida, que este não se apercebe de que não é a sua própria imagem reflectida ao espelho - IMAGEM 12).


_Duck Soup_, de Leo McCarey.jpg
IMAGEM 12: Duck Soup, filme de Leo McCarey, 1933 - com os Marx Brothers


3. VANITAS
_Opening Night_, de John Cassavetes .jpg
IMAGEM 13: Opening Night, filme de John Cassavettes
IMAGEM 14: Santa Aliança, filme de Eduardo Geada (1977)


O espelho, tal como o louco, não retém o que vê. A loucura é, também, a incapacidade para o auto-exame: porque o louco não se conhece, o seu espelho é uma distorção de si. Em Opening Night (IMAGEM 13), Gena Rowlands protagoniza uma actriz que se recusa a aceitar o papel de uma mulher de meia-idade por incapacidade de se ver como uma. A loucura da mulher que já foi bela advém da qualidade temporária da imagem especular: as marcas da idade na sua imagem provam a degradação irreversível da beleza a que o corpo está sujeito. Aqui, o espelho prova como vê melhor do que o olhar humano: aquilo que ela é e aquilo que ela acha que é, estão em conflito.


14492439_10206220585508097_1120221945748311020_n.jpg 72ab983a397f2267e39c2d5378a11a1a.jpg
IMAGEM 15: Das Kino und Der Tod, filme de Hartmut Bitomsky, 1988
IMAGEM 16: Detalhe de O Jardim das Delícias Terrenas, de Hieronymus Bosch,(c. 1503-1510)
IMAGEM 17: Vanitas de Pieter Coecke Van Aelst (1502-1550)
IMAGEM 18: The Vanity Tables of Douglas Sirk, video-ensaio de Mark Rappaport, 2014


O conservadorismo religioso da iconografia medieval, sucede-se ao longo de séculos entre abundantes motivos moralizadores, onde o espelho repetidamente surge para associar a beleza à tentação, consequência da manipulação de um Diabo que instrumentaliza as jovens e belas mulheres para provocar os homens. O Diabo, a Morte, o Velho ou o Cadáver ressurgem entre figuras de raparigas, sereias, ninfas, ora para segurar os seus espelhos ora em vez destes (IMAGEM 16, IMAGEM 17), interrompendo um quadro de beleza e imputando às jovens protagonistas que se observam o pecado da vaidade (vanitas). Condenando-lhes o narcisismo, recordam como a beleza é de natureza temporária e, sob pena de castigo divino, impõem a necessidade moral de preservar uma permanente consciência da finitude:


‘‘O espelho há-de trazer-te cada ruga / qual cova escancarando-se à lembrança / e no quadrante vês da sombra em fuga, / como ao eterno o Tempo a furto avança.’’
Shakespeare, Sonetos


Apesar da persistências das marcas desta castradora contenção no discurso (por exemplo, a expressão anglossaxónica para ‘‘toucador’’ ainda é ‘‘vanity table’’ - IMAGEM 18), hoje dessacralizado, o confronto com o espelho acontece frente-a-frente, na autonomia da intimidade individual. Do mesmo modo, ocupando um lugar de intermediação entre o Eu e o Outro, as várias Artes ainda têm (em potência), como um espelho simbólico, um poder interventivo junto do espectador: o de permanentemente lhe convocar um auto-exame.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


  1. MELCHIOR-BONNET, Sabine, ‘‘História do Espelho’’, Orfeu Negro, 2016
  2. MELCHIOR-BONNET, Sabine, ‘‘História do Espelho’’, Orfeu Negro, 2016
(3) TOSCANO, Marta, ‘‘Imagem do Tempo: Os Espelhos na Arte Contemporânea’’, FLUL, 2013
(4) DELEUZE, Gilles, “Francis Bacon - Lógica da Sensação”, Orfeu Negro, 2011
(5) SARTRE, J.-P., ‘‘As Palavras’’, Bertrand, 1967
(6) ECO, Umberto, ‘‘Sobre os Espelhos e Outros Ensaios’’, Relógio d’Água, 2016
(7) LACAN, Jacques, ‘‘Escritos’’ (1966), RJ, Jorge Zahar Editor, 1998

Sem comentários:

Enviar um comentário